Opinião

Conciliação Família e Trabalho: um desafio sem fim

Gonçalo Lobo Xavier, Membro do Comité Económico e Social Europeu

O mundo do trabalho está em constante mudança. Estamos todos mais ou menos cansados de ouvir que “já não há empregos para a vida” (como se dantes os houvesse…) ou que está mais difícil de “engolir”, pois “quando chegarmos à idade da reforma já não teremos direito a pensão”… Bem sei que são ditos urbanos (não confundir com “mitos urbanos”) mas a verdade é que são preocupações para as quais devemos estar alerta
POR GONÇALO LOBO XAVIER

Certo é que os empregos e as exigências do “mundo moderno” são muito diferentes das que os nossos pais viveram e serão seguramente, completamente distintas das que os nossos filhos viverão. Nunca me canso de dizer que há profissões e actividades que serão uma realidade dentro de dez anos e que hoje ainda nem existem…  Já agora um desabafo: nem sei muito bem como os preparar para o que aí vem!

Mas, por muitas mudanças que possam ocorrer no mundo laboral, há questões que estarão sempre presentes. A conciliação da vida familiar com a vida de trabalho é seguramente um dos temas que nos acompanhará por toda a nossa vida profissional, quer tenhamos descendentes ou ascendentes. A família será sempre um pilar da construção de uma sociedade mais justa e solidária e não podemos (ou não deveríamos) lembrar-nos dela só no jantar de Natal.

É por isso importante partilhar conhecimento nesta área, sabendo naturalmente que não há receitas que possam ser aplicadas a todos e que cada um deverá ter a consciência dos seus limites e do que pode e deve fazer no sentido de defender a sua família dos excessos de trabalho.

A ACEGE – Associação de Empresários e Gestores Cristãos, há muito que se debruça sobre este tema e tem promovido várias iniciativas que vão ao encontro de um equilíbrio desejável entre ser um bom profissional e ser um bom gestor da sua família.

A família será sempre um pilar da construção de uma sociedade mais justa e solidária

É importante que se oiçam empresários, gestores, trabalhadores, enfim, pessoas com vidas normais e que se debatam estes temas de uma forma clara e em partilha. Isso mesmo será feito no próximo dia 15 de Novembro, na Escola de Hotelaria e Turismo de Coimbra, pelas 20h, através do testemunho de Graça Barbosa Ribeiro. Será interessante ouvir alguém com um percurso tão rico no mundo da comunicação e que tem responsabilidades numa empresa com uma presença tão marcante e exigente como é a Critical Software. E se há profissão a que nos habituámos a ver como um paradigma da dificuldade de conciliar a vida familiar com o seu exercício, essa será a de jornalista, profissão que a Graça abraçou por mais de duas décadas.

Como referi, não há receitas mágicas nem acções que sirvam para todos. E muito menos posso servir de referência, pois muito me penitencio por os meus filhos terem um pai que sai frequentemente cedo e chega muitas vezes demasiado tarde…

Mas o título desta crónica diz tudo: conciliar o trabalho e a família é uma tarefa sem fim. Permanente. E vamos sempre a tempo de corrigir (não compensar) algumas das nossas actividades, para bem da família, para bem de todos, sejam eles marido, mulher, filhos, pais ou irmãos.

Sair a horas do emprego; ir para casa ajudar, tentar não levar trabalho para casa; tentar não atender o telefone com temas de trabalho (até há legislação que nos protege disso); estar presente em casa ou visitar os pais e irmãos. Tudo isto são actividades que nos completam e que contribuem para o nosso bem-estar.

Meditemos e tomemos uma atitude. Para bem da família e da sociedade. E se puderem, venham ouvir o testemunho que a Graça Barbosa Ribeiro e a ACEGE Coimbra nos trarão no próximo dia 15 de Novembro ao jantar.

Artigo originalmente publicado no Diário Coimbra a 6 de Novembro de 2018