Em Destaque

Jovens têm de conciliar carreira exigente com vida pessoal intensa

0 453
Luís Lobo Xavier, membro-fundador da ACEGE NexT

Parece-nos evidente que a conciliação vida pessoal e profissional é um tema fundamental nos dias de hoje, e para o qual falta um olhar e uma posição estruturada por parte da nossa geração trabalhadora, que tem que conciliar uma vida profissional exigente com uma fase de vida pessoal intensa. Assim sendo, decidimos criar um grupo de trabalho com o objectivo de analisar o tema da perspectiva da geração entre os 20 e os 40 anos
POR LUÍS LOBO XAVIER

Ter um sentido para o nosso trabalho e procurar um bom equilíbrio de vida são as grandes aspirações dos jovens profissionais nos dias de hoje, e foram o mote para a realização do I Encontro ACEGE NexT “A coragem de fazer a diferença”, que a 25 de Março reuniu 120 jovens profissionais no Museu do Oriente, em Lisboa.

Deste modo, a conciliação da vida pessoal e profissional esteve presente desde o início como um dos temas fundamentais da ACEGE NexT, até pelos desafios específicos que coloca à geração dos profissionais entre os 20 e os 40 anos. Esta é a fase em que, normalmente, tudo acontece: começamos a nossa vida profissional, casamos, não casamos, temos mais ou menos filhos (que quanto mais pequenos são mais precisam de nós), crescemos profissionalmente ou ficamos a marcar passo, enfim, são tempos exigentes.

Parece-nos portanto evidente que este é um tema fundamental nos dias de hoje, e para o qual falta um olhar e uma posição estruturada por parte da nossa geração trabalhadora, que tem que conciliar uma vida profissional exigente com uma fase de vida pessoal intensa.

Assim sendo, decidimos criar um grupo de trabalho com o objectivo de analisar o tema da conciliação vida pessoal e profissional da perspectiva da geração entre os 20 e os 40 anos.

A primeira fase deste trabalho decorreu entre Dezembro de 2017 e Abril de 2018, envolvendo cerca de 15 pessoas, e esteve focada em desenvolver três conjuntos de propostas práticas, para as Pessoas, para as Empresas, e para o Estado, que da nossa perspectiva seriam importantes para ajudar a que haja maior equilíbrio entre vida pessoal e profissional. Estamos neste momento a aprofundar as várias propostas e a estudar a possibilidade de implementação das mesmas, em conjunto com a ACEGE.

Está em análise a avaliação dos programas eleitorais dos partidos nas eleições de 2019 quanto às políticas de conciliação família-trabalho

O Subgrupo das Pessoas desenvolveu uma reflexão sobre os vários pilares da vida pessoal (Família, Trabalho, Desenvolvimento Pessoal, Desenvolvimento Espiritual e Comunidade), cruzando-os com as várias dimensões organizativas (Prioridades, Gestão de Tempo, Rotinas, Meios Electrónicos e Espaços) que nos permitem estruturar a nossa vida, fazer escolhas, e optar por caminhos que nos ajudem a ser pessoas mais plenas e equilibradas.

Baseadas nos conteúdos desta Matriz surgiram algumas propostas concretas, tais como a criação de um manual sobre o tema; a criação de mini-cursos/workshops que poderiam ser dados em universidades, empresas, incluindo cursos de preparação para o casamento, entre outros; a criação de uma app, a “AppyLife”, para ajudar a gerir os equilíbrios entre vida pessoal e profissional, (inspirada nas Apps de saúde e fitness); e o desenvolvimento de “nexTalks” em todo o país, com testemunhos pessoais.

O Subgrupo das Empresas propôs-se a contribuir para o aumento de empresas em Portugal que implementem medidas de conciliação Família-Trabalho, e também que procurem e alcancem a certificação EFR (Empresas Familiarmente responsáveis), através da criação de um documento que contextualize a problemática da conciliação, identifique os benefícios para o negócio e para a sociedade, ajude as empresas a dar os primeiros passos através de um catálogo de medidas, e dê indicações práticas de implementação.

A fase seguinte passará por focus group com empresas de diversas dimensões (de start-upsa multinacionais) para testar a aceitação das propostas, e pela revisão do documento e apresentação do mesmo às empresas, através de “embaixadores” ACEGE”, de forma a sensibilizar e entusiasmar as mesmas para a implementação de medidas de conciliação e/ou para a Certificação EFR.

Finalmente, o subgrupo do Estado analisou o papel do Estado na conciliação família-trabalho, identificando e detalhando medidas concretas nas áreas das Licenças de Parentalidade, da Fiscalidade, dos Equipamentos (creches, centros de saúde, etc.), do Direito a Desconectar, e da Fiscalização eficaz (licenças, trabalho flexível, etc.).

As várias medidas estudadas serão analisadas pela ACEGE, sendo que algumas delas poderão eventualmente fazer parte de um documento que possa ser apresentado à sociedade e aos agentes políticos, procurando contribuir para a construção dos programas eleitorais a partir de 2019. Está também em análise a criação de um template de avaliação dos programas eleitorais dos partidos nas eleições de 2019 quanto às políticas de conciliação família-trabalho.

Teremos mais novidades sobre este tema ainda este ano.

Nota: A ACEGE NexT reúne os associados da ACEGE (Associação Cristã de Empresários e Gestores) entre os 20 e os 40 anos