Em Destaque

Conciliação Família e Trabalho: muito mais que uma medida de responsabilidade social

A decisão da ACEGE de chamar o tema da Conciliação Família e Trabalho para o centro da sua reflexão neste ano de actividades não deve surpreender. Cuidar dos nossos próximos, oferecer condições para que possam ser mais e melhores pessoas, mais realizadas e mais capazes de responder às suas necessidades e responsabilidades é, objectivamente, cumprir a visão que temos para uma sociedade mais justa, mais equilibrada, mais produtiva
POR GONÇALO CÔRREA D’OLIVEIRA

A decisão da ACEGE de chamar o tema da Conciliação Família e Trabalho para o centro da sua reflexão neste ano de actividades não deve surpreender. Olhando para a Visão da ACEGE podemos ler: “(A ACEGE é uma) Comunidade de líderes empresariais cristãos que procuram, através do seu trabalho, a promoção da dignidade de cada pessoa e a construção do Bem Comum.” Promover a dignidade de cada pessoa e construir o Bem Comum tem de começar por aqueles que, connosco, se cruzam nas nossas empresas. Cuidar dos nossos próximos, promover a sua dignidade, oferecer condições para que possam ser mais e melhores pessoas, mais realizadas, mais felizes e mais capazes de responder às suas necessidades e responsabilidades é, objectivamente, cumprir a Visão que temos para uma sociedade mais justa, mais equilibrada, mais produtiva.

Conciliar a vida familiar com a vida profissional decorre ainda da visão cristã do Homem, visão essa que tão bem se encontra traduzida no Código de Ética dos Empresários e Gestores que a ACEGE promoveu e que é hoje o seu documento fundamental.

É, pois, neste quadro que a ACEGE assinou com a Fundación MásFamilia um protocolo de colaboração estreita, através do qual pretende promover e desenvolver a certificação efr de empresas portuguesas. Certificar empresas como entidades familiarmente responsáveis é oferecer, às empresas portuguesas, uma ferramenta de gestão de excelência capaz de potenciar o Talento, o Compromisso a Realização Pessoal e a Felicidade dos seus colaboradores. Potenciar tudo isto nos colaboradores que tem a seu cargo resulta inexoravelmente, para a empresa, no acréscimo de produtividade, numa melhoria do ambiente de trabalho, numa realidade que reflecte aquilo a que ela é chamada a ser: “…uma comunidade humana, fundada em interesses não coincidentes, mas orientada para finalidades comuns, estruturada segundo o princípio da cooperação e não do conflito, vocacionada para a produção, e, ou comercialização de bens e serviços num mercado global, concorrencial e incerto e, por isso, sujeita a princípios racionais de gestão, de organização e de permanência no mercado.”[1]

No quadro deste protocolo e em menos de um ano já se vêem resultados positivos. Duas empresas já se certificaram – a Fidelidade Assistance e a BEL Portugal -, e três novas consultoras – a Pari Passu, a PwC e a Biorumo – estão em fase final de homologação pela Fundación MásFamilia. A curto prazo, estas estarão em condições de responder ao esperado aumento de solicitações por parte de entidades portuguesas que desejarão avançar para esta certificação efr.

Dado o crescente interesse pelo tema, traduzido em vários pedidos de esclarecimento que estão já em análise, é possível afirmar que a família efr está claramente a crescer em Portugal, juntando-se às empresas que, no nosso país, foram pioneiras nesta certificação efr: O Santander, a EDP, a Dianova, a XZ e a Sol dos Pequeninos.

Procurando ajudar as empresas e os seus responsáveis a conhecer melhor esta certificação efr, as suas vantagens e as suas exigências, a ACEGE promove este mês três seminários dedicados ao tema A Certificação efr porquê? Consulte aqui os convites do Porto, Mafra e Lisboa e se tiver interessado inscreva-se.

Participaremos igualmente, no dia 16 de Março, em Braga, num Workshop organizado pela XZ subordinado ao tema: Felicidade e Conciliação nas Organizações.

Ao longo deste ano, a ACEGE continuará a dedicar a sua atenção e reflexão a este tema, promovendo, através dos nossos núcleos ou respondendo a iniciativas de entidades interessadas, seminários e conferências, nos quais tentaremos aprofundar este tema que, estamos seguros, é muito mais do que uma mera medida de responsabilidade social das empresas. Acreditamos verdadeiramente que conciliar a vida familiar e o trabalho é “…viver o Amor e a Verdade no mundo económico e empresarial e dar testemunho junto da Comunidade.”[2]

[1] Código de Ética do Empresários e Gestores, Princípios Fundamentais, ponto 3, pag.6

[2] Missão da ACEGE, in www.acege.pt